Sindicato da Construção, Geração, Transmissão e Distribuição

de Energia Elétrica e Gás no Estado de Mato Grosso

Notícias

Obras de eólicas conquistadas no leilão de reserva "já começaram", diz Renova

Obras de eólicas conquistadas no leilão de reserva "já começaram", diz

Em: 26/08/2013 às 16:27h por Jornal da Energia

A Renova Energia está atenta ao tempo disponível para construir os projetos eólicos viabilizados no leilão de energia de reserva, que aconteceu na última sexta-feira (23/8). A companhia tem apenas dois anos para colocar 159MW em operação. "As obras já começaram", brincou o presidente da Renova, Mathias Becker, em entrevista ao Jornal da Energia nesta segunda-feira (26/08). Segundo ele, o investidor que conquistou projetos no certame pode não conseguir cumprir o prazo para o início do suprimento de energia se não começar as obras imediatamente.

Os projetos conquistados pela Renova foram batizados de Alto Sertão 3 e estão localizados no Sudoeste da Bahia, espalhados pelos municípios de Caetite, Guanambi, Guaporã, Pindaí e Bom Jesus da Lapa. Foram vendidos 73,7MW médios, ao preço médio de R$106,02 por MWh. A previsão é que R$634,9 milhões sejam investidos na construção dos empreendimentos.

A francesa Alstom será a responsável pelo fornecimento dos equipamentos e operação dos parques. A execução da parte civil da obra, no momento, está sendo negociada com empreiteiras, de acordo com Becker.

Com a comercialização no LER 2013, a Renova tem capacidade instalada contratada de 1.449,4MW, sendo 1.407,60MW de energia eólica e 41,8MW de PCHs, comercializada nos ambientes regulado e livre.

Estratégia vencedora
O presidente da Renova, Mathias Becker, falou da estratégia utilizada no leilão. Como o certame foi realizado em duas fases, em que na primeira os investidores disputaram o acesso à rede de transmissão, segundo o executivo, não havia margem para economizar na competitividade.

"Não fazia nenhum sentido para você deixar margem no meio caminho sob o risco de não participar da fase dois", explicou Becker.

Ele avaliou positivamente o modelo adotado pelo governo, que buscou minimizar o risco das usinas ficarem prontas e não entregarem energia ao sistema por causa de atrasos nas obras das estações coletoras de energia (ICGs). "Esse modelo (de leilão) assegura a transmissão", lembrou Becker.

Em relação ao A-3, previsto para novembro, o executivo preferiu não arriscar palpite. Segundo ele, tudo vai depender da demanda a ser apresentada pelas concessionárias de distribuição de energia elétrica.

Se o cenário para a eólica é incerto, por outro lado, a Renova pretende apostar na energia fotovoltaica. A companhia cadastrou projetos de fonte solar para o A-3. "Estamos trabalhando para tentar viabilizar uma oferta firme de energia no A-3", concluiu Mathias.